DICAS DE VIAGEM

Como lidar com birras em viagem (e outros imprevistos)

1 Junho, 2017

Birras em viagem, já vou aconteceu?

Acho que a resposta será positiva para todos os pais. Todos já terão passado por situações embaraçosas na rua, simplesmente porque um dos miúdos não quis fazer ou não gostou de qualquer coisa que se estava a passar.

Sim, num passeio há sempre imprevistos. Sim, há sempre coisas que acontecem e não conseguimos controlar. Birras em viagem, incluídas claro!

Mas é a nossa forma de agir perante estes acontecimentos que podem fazer toda a diferença. E quanto mais preparados estivermos, melhor.

birras em viagem

Birras em viagem… Quem não sabe o que é??

Ora, lembrei-me então de convidar vários especialistas em diferentes temas, para responderem com dicas fáceis que todos possamos colocar em prática.

Desta forma, vamos aprender a lidar melhor com algumas situações que até já nos surgiram ou podem ainda vir a surgir numa próxima saída com os miúdos.

A minha convidada no tema PARENTALIDADE é a Rita Aleluia. Mãe de duas meninas, coach, trainer, consultora e especialista em Parentalidade com Programação NeuroLinguística. Autora do livro “Mães do Mundo” – A PNL ao serviço da educação com ética. E ainda uma viajante muito experiente por vários cantos do mundo.

Partilha agora aqui dicas sobre como lidar com birras ou outras tantas contrariedades em viagem. Dá ideias para entreter os miúdos ou envolver todos durante as férias. E sugere algumas atitudes simples e preciosas, que descomplicam quase tudo.

Porque pais mais confiantes e tranquilos tornam as viagens em família ainda mais divertidas, certo?

Vamos lá então:

10 DICAS PARA LIDAR COM BIRRAS EM VIAGEM (e outros imprevistos)

Em primeiro lugar, a Rita esclarece que o seu conceito de férias é:

Descoberta! Aventura! Bom-humor! Energias positivas!

E acresenta ainda:

Lembra-te: por mais pequenos que sejam, os teus filhos vão armazenar, para sempre, todas as emoções sentidas, mesmo que não tenham memória visual dos locais visitados. A emoção está lá! Vão sempre lembrar-se do que sentiram.

1. O que fazer quando os miúdos fazem birra no hotel, no avião…?

Usa a empatia. A birra é a forma que ele está a encontrar, naquele momento, para comunicar contigo. Age em vez de reagires. Sem julgamentos e afasta-o dos holofotes, opinões e olhares alheios. Um dia já foste criança, viaja até lá e lembra-te o quão difícil era cumprires à risca o que te exigiam. O esforço e desconforto que isso te causava. Agora, que já te colocaste no lugar do teu filho, respira fundo.

Sem palmadas, sem ameaças, sem chantagens. Olhos nos olhos, à mesma altura, abraça-o. Diz-lhe que sentes que ele está zangado e que gostavas de o ajudar. Pergunta-lhe o que podes fazer por ele? Conecta-te.

Se ele quiser algo que não seja possível, naquele momento, então, podes dizer-lhe: “Compreendo, sei que isso é muito importante para ti e concordo. Sugiro que façamos assim, logo que chegarmos ao “lugar X” procuramos forma de o fazer. Agora, vamos (e dizes o que têm de fazer naquele momento). Parece-te bem? Muito obrigada pela tua colaboração, é maravilhoso viajar contigo!”

2. Ideias para entreter as crianças em viagem?

Uma mochila com lápis, papel, um livro de histórias e lanches, é sempre uma boa solução. Jogos como “tesoura, pedra ou papel”, “stop”, outra. E lembra-te: tu ESTÁS PRESENTE! Significa que estás com e para eles!

3. Como envolver todos no roteiro ou destino?

Envolve os teus filhos em todo o processo. Isto inclui a escolha do destino de férias. Podes perguntar o que querem fazer, em que ambiente (praia, cidade, campo…).

Se já tens mesmo “aquele destino” definido, então, explica-lhes o que farão. O que vão ver, fazer, até onde vão comer. Os nossos filhos gostam de saber o que os espera. Tal como tu!

4. E se me esquecer do brinquedo/objecto preferido da criança?

Eles vão exigir a tua presença, mais do que o normal. Aproveita para explorar novas possibilidades com os teus filhos. É uma excelente oportunidade para colocar a vossa criatividade e imaginação a todo o vapor!

5. É importante manter as rotinas ou em viagem podemos alterar sem medo de “estragar” tudo?

Em viagem não vais conseguir manter as rotinas. Por isso, primeiro, define para ti quais os limites até onde estás disposta a ir, depois explica que farão programas diferentes, com horários diferentes do habitual e assegura-te que lhes ofereces períodos de descanso que lhes permita recomporem-se.

As horas de sono nocturno, sempre que possível mantém, são mesmo importantes. Em relação à alimentação, mesmo que seja distinta do comum, tem em consideração a fruta e a ingestão de água. E está tudo bem, tu estás lá.

6. Como reduzir o desconforto do desconhecido, evitando possíveis birras em viagem?

Essa é a parte mais divertida! Comecem por praticar, ainda em casa, o idioma falado no vosso destino. Palavras simples como “bom dia”, “obrigada”… Mergulhem no YouTube e vejam vídeos do local, investiguem quais as músicas tradicionais e costumes.

Comecem a viajar em casa! É tão bom!

7. Quais as melhores formas de transportar as crianças?

Até aos dois anos, o sling continua a ser um grande aliado! Pelo menos para mim. A criança sente o aconchego da mãe, a respiração, os batimentos cardíacos e a paz impera!

Ainda assim, e porque existem viagens que exigem longos passeios a pé, um carro bengala (confortável e leve) será sempre uma mais valia. Já em viagens de carro, usem sempre as cadeiras adequadas à idade dos vossos filhos e certifiquem-se que as mesmas estão devidamente instaladas nas viaturas.

8. E se eles não gostarem da comida, o que fazer?

Férias são férias! Também aqui os hábitos alimentares se alteram e ainda bem. A flexibilidade é a palavra de ordem. Essencial, é fazerem-se sempre acompanhar de água engarrafada, para garantirem a hidratação. Se tivermos em consideração que, o nosso organismo só precisa de ingerir a quantidade de comida que cabe na palma da nossa mão, não vejo lugar a dramas.

Além disso, regra geral, as unidades hoteleiras são sensíveis e rapidamente vos fazem uma sopa simples para oferecerem às crianças. Em todos os lugares do mundo, encontramos mercados locais onde é possível comprar fruta. Apostem nisso e deliciem-se com o exotismo de algumas. É tão bom!

9. Com a saúde não se brinca. Como lidar com isso em viagem?

Levamos sempre um kit básico de primeiros-socorros (just in case). Um pequeno necessaire que contém: termómetro, antipiréticos, medicamento para algum distúrbio intestinal, desinfectante, repelente, pomada para picadas de insectos.

Protector solar – levamos praticamente para todas as viagens. Atenção, neve incluída!! Os danos do Sol, quando estamos na neve, conseguem ser superiores aos da praia.

Além disso, seja qual for o destino, investigamos sempre, quais os cuidados de saúde recomendados. Quando os destinos são mais exóticos, verificamos também se é aconselhada vacinação extra PNV.

10. E as malas, levar muitas ou poucas?

Este é um tema sensível (risos)! O que a experiência já nos ensinou, é que é preferível viajar mais leve, pois claro.

Ainda assim, com crianças, a tendência é pensarmos que se podem sujar com mais frequência (e ainda bem, que é mesmo bom sinal) e por isso, queremos levar roupa extra. É um mito e pesa horrores!

Levem poucas mudas de roupa e em caso de necessidade, acreditem que, um lavatório e um sabonete fazem milagres e é super divertido incluí-los na tarefa!

****

Se quiserem acompanhar o trabalho da Rita, sigam todas as novidades dela em RITAALELUIA.COM 

  • Em Setembro vai estar em Bali (Indonésia), a dar o seu contributo num encontro com co-autores da programação neurolinguística na criação da quarta geração de PNL
  • Entretanto, no dia 15 de Julho, vai estar em Lisboa com o curso “Parentalidade com PNL”. Digam que vão da minha parte, que são leitores Viajar em Família, para assim participarem com um preço muuuito especial!

E façam excelentes viagens em família (agora que já sabem um pouco mais sobre como lidar com birras em viagem)!  🙂

****

Estamos no facebook e instagram

RECOMENDO TAMBÉM

Deixe um comentário