DICAS DE VIAGEM

Dicas de Mãe #10: Ana do Ma Petite Princesse

19 Maio, 2014

E aqui está mais uma mãe com três dicas de viagem para partilhar. Tem toda a vontade e até coragem para viajar com a família, além de um projecto super interessante que vale a pena conhecer.

Nome da Mãe: Ana Peixoto Almeida

Idade da Filha: 1,5 ano

Projecto: Ma Petite Princesse

A Ana sempre trabalhou em comunicação e apesar de gostar muito do que fazia, sentia há muito aquela vontade de aprender uma coisa nova e de criar um projeto próprio, algo que “viesse da minha cabeça, mãos e coração”, diz. Ora, a oportunidade já existia, a maternidade ajudou e os cinco meses de licença proporcionaram o tempo necessário para se apaixonar perdidamente pela ideia. Assim nasceu a Ma Petite Princesse – uma marca de roupa de bebé e um blog onde partilha a vida depois de ser mãe, viagens incluídas, pois afirma que “viajar em família é um dos meus princípios”.

ma petit princess

Constança em Santa Teresa, Costa Rica

E é com três perguntinhas apenas que se aprende um pouco mais sobre viajar em família:

1 – Uma coisa que vai sempre na mala: Para além do óbvio, uma espécie de fralda grande a que dão o nome de swaddle. Na verdade, eu nunca usei como swaddle porque quando comprei a Constança já era crescida. Comprei um pack de duas unidades precisamente para usar em viagens. Um uso como toalha de praia, o segundo anda no carrinho e na mochila e é perfeito para mudar fralda ou servir de manta por cima do carrinho. É leve, é grande (recomendo comprarem o tamanho maior) e muito prático.

2 – Um destino que nunca desilude: A Costa Vicentina. Amo de paixão e é perfeito para ir em família. Sol, praia, um mar como nós gostamos, bons petiscos, paisagens bonitas, surf, alojamentos cheios de atmosfera, super boa onda. Sempre fui, todos os anos, em solteira e no tempo em que vivia em Lisboa. Agora com família e a viver no Norte faço um esforço por ir passar um fim-de-semana prolongado por ano, pelo menos.

3 – Um erro a não repetir: Deixar o sling ou o porta-bebés em casa. No ano passado, na nossa viagem à Grécia, não levámos a arrependemo-nos amargamente. Há praias quase inacessíveis, trilhos, caminhadas, percursos íngremes que, com uma bebé ao colo, são difíceis de fazer. Não deixamos de o fazer, mas foi muito mais difícil. Este ano a Constança já não cabia no porta-bebés por isso levámos o sling. Indispensável.
RECOMENDO TAMBÉM

Deixe um comentário